sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Estatísticas

 “Muitos usam a estatística como os bêbados usam postes, mais para apoio do que para iluminação.”
 [Andrew Lang]

  Gosto de ler dados estatísticos, são mais confiáveis que a “psicologia” ... o que não é um grande feito

   


  Estava lendo uma matéria na Veja sobre a morte de policiais no Rio de Janeiro.
  Foram 97 mortos em 2017 ...até Agosto!
  Toda reportagem gira em torno desse número, realmente é uma tragédia.
  Aqui no Blog gosto de ir nas entrelinhas que ninguém lê.
  Lá no meio da reportagem tem o número de pessoas mortas pela polícia do Rio, cerca de 500 pessoas!!
  Gente, gente, gente é uma situação de guerra civil.

  Evidente que no meio desses 500 civis mortos há gente inocente que estava no lugar errado na hora errada.
  Porém acredito (quero acreditar) que 99% realmente sejam bandidos que entraram em confronto com a polícia e felizmente levaram a pior.

  Boa parte dos brasileiros são contra a pena de morte sem perceber que ela é aplicada de maneira selvagem no Brasil.

  Se a pena de morte fosse aplicada de maneira civilizada contribuiria para redução da criminalidade no Brasil?
  Aposto que sim.
  Com ela eliminaríamos os generais, aqueles que (dentro das prisões) comandam a guerra civil contra a Sociedade de bem. 
  Isso é uma tática básica de guerra, tentar atingir a liderança do exército inimigo, a cabeça.
  Imaginem a segurança super reforçada do líder da Coréia do Norte ou do nosso vizinho Nicolas Maduro.
  Imaginem a segurança em torno de Trump ou Putin.
  Todo tipo de organização tem uma cúpula ditando a direção (boa ou má).
  Eliminar a cúpula não elimina necessariamente a organização, mas a desarticula bastante.
  Eliminar um general da bandidagem evita que eliminemos 500 soldados do tráfico.
  Se Hitler tivesse sido morto em 1940, dificilmente teríamos uma guerra mundial que se estendesse até 1945.
  Comando Vermelho ou PCC seriam tão articulados se sistematicamente, por motivos legais, eliminássemos seus líderes?
  O exército de bandidos que promove essa guerra civil estaria tão poderoso?
  Minha aposta é que não.
 
  Paralelo a isso precisamos construir presídios, pelo menos 2 milhões de vagas.
  Para uma população de mais de 200 milhões é uma projeção bastante otimista.
  Prenderíamos menos de 1% da população.
  Hoje as vagas em presídios não chegam a 700 mil.

  Tudo isso foram só preliminares, vaselina, a provocação desse texto começa agora, vou colocar a cabecinha pra pensar.

  Vamos audaciosamente onde nenhuma mente jamais esteve ...
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  COTAS:  “Passados quinze anos do empurrão inicial e cinco da obrigatoriedade por lei, as previsões catastróficas não se confirmaram, e o balanço é mais positivo do que se imaginava.”

  Na revista Veja li outra matéria exaltando o sucesso da adoção das cotas no Brasil.
  Mostrou pessoas que graças a ter frequentado uma Universidade melhoram bastante de vida.
  Sem sistema de cotas as boas oportunidades não teriam surgido para elas.
  No final só falta a reportagem escrever em letras garrafais uma mensagem as pessoas que iguais a mim são contra as cotas.

CHUPEM SEUS REACIONÁRIOS!

   Antes de prosseguir deixo claro que aceito cotas em Universidades públicas para pessoas que estudaram em escolas públicas até o máximo de 50% das vagas.
   Fora disso não consigo defender argumentativamente nenhum outro tipo de cota. ​​
   Seria mais ou menos assim, só para visualização.
   50% das vagas ficariam com os melhores classificados independente de qualquer coisa.
  A outra metade seria reservada para os melhores classificados da escola pública.

  Acompanhem meu raciocínio, vamos a uma Filosofia Matemática.

  Cursos universitários custam caro por isso, com raras exceções no mundo, quem pode pagar, paga mesmo em universidades públicas, até na China é assim.

  Nos países mais “civilizados” o aluno esforçado, talentoso que através do mérito tem boa pontuação consegue bolsa de estudos na medida da sua necessidade.

  No Brasil não, universidade pública é sinônimo de universidade “grátis” [paga pela sociedade].
  Com isso o número de vagas fica ainda mais limitado uma vez que depende diretamente da arrecadação de impostos.
  Vamos trabalhar com números bem reduzidos para facilitar a visualização.

  Temos 100 vagas anuais em nossas universidades públicas e 500 pessoas dispostas a cursa-las.

  Não tem jeito, 400 terão que tentar no próximo ano.

  É colocado uma cota racial.
  30% das vagas são separadas para cor de pele.

  No geral a vaga por mérito é reduzida para 70.

  O garoto branco, esforçado, competente tinha em disputa 100 vagas agora tem 70.
  As coisas ficaram bem mais difíceis para ele.

  O garoto conseguiu a colocação de número 80 o que lhe daria direito a vaga, mas um índio ou negro que foi menos bem no teste vai ficar com ela.
  As variáveis são muitas, mas para nossa meditação vamos dizer que 15 bons alunos brancos e pobres perderam a vaga só por sua cor de pele.

  Preste atenção na minha pergunta:

  Quem está entrevistando esses garotos brancos excluídos ou os familiares deles?

  Depois de 2 anos de tentativa sem sucesso e altos gastos essas pessoas podem desistir de cursar uma faculdade.

  A garota branca que sonhava em cursar medicina vai continuar balconista.

  O garoto branco que sonhava em ser engenheiro, vai continuar repositor de supermercado.

  O “loirinho” diante de tanta dificuldade pode seguir pelo caminho “mais fácil” da criminalidade.

  Veja bem, 15 estudantes pobres brancos foram melhor no teste, mas tiveram seu “destino” alterado em nome de uma “dívida histórica”.

  Quem tem 18 anos (2017) nasceu em 1999.
  Lembremos que a abolição dos escravos ocorreu em 1888.
  O jovem branco está sendo penalizado por uma situação ocorrida 1 século antes do seu nascimento!

  Lembremos também que a escravidão não foi uma “invenção” brasileira nem portuguesa.
  Africanos tinham essa cultura, árabes tinham essa cultura ... o hebreu Abraão tinha escravos com a benção do Deus Bíblico.

  Nós brasileiros poderíamos simplesmente corrigir a ineficiência cultural do passado, mas “inteligentíssimos” queremos criar sistemas de “compensação”.

  O bisneto pagando pelas “falhas” do bisavô!
  (Certas meditações me dão vontade de chorar.)

  A matéria alardeia estatisticamente que quem ganhou um benefício indevido está melhor...
  Como poderia ser diferente!?
  Minha filha por ter pai negro estuda medicina de graça.
  O filho do vizinho por ser branco perde a vaga na Universidade.

  Daqui 5 anos minha filha é médica formada pela Unicamp e o filho do meu vizinho ... quem se importa com ele, quem vai ser o chato de colocá-lo em alguma estatística reacionária?


 Essas são colegas de trabalho, Nitty e Alessandra.

  A revista Veja colocou muitos rostos em suas “estatísticas” eu também quis colocar um na minha.
  Alessandra é pobre, tem um filho adolescente, quando a mídia vai entrevistar seu filho branco e pobre sobre o sucesso das cotas?
😞




Textos complementares:

Ser Conservador



Homens Meninos do Rio


História NÃO Contada na Escola


Complexo de Vira-Lata


Universidade Paga



-------------------------------------------------------------------------