domingo, 25 de novembro de 2012

Ajuste de Imagem

“Nos momentos difíceis descobrimos quem realmente somos e as vezes não é o que gostaríamos de ser.”
________________________________________________________
  A situação é São 22 horas de algum dia de dezembro de 2006.
________________________________________________________

  Meu dia de trabalho como sempre tinha começado cedo, 7 horas da manhã já estava no restaurante limpando o local, 8 horas fui para o Atacadão ou Ceasa, por volta dás 10h30 voltei ao restaurante e problema, correria, problema, correria, problema, correria... um dia normal.

  Dez horas da noite, queria fechar estava exausto, mas não poderia colocar os clientes para fora mesmo que já não estivessem consumindo mais nada, não seria simpático.
  Um rapaz de uns 20 anos entra e pede água outro aproximadamente com a mesma idade fica recuado e parece ficar à espreita, com a mão no bolso da jaqueta.
  Eu e os 3 clientes restantes já sabíamos o que iria acontecer, os assaltos naquela região estavam frequentes, não sei bem porque razão o rapaz que pediu água deu uma boa olhada no local e não bebeu nem a água, “deixa quieto”, foi embora com o outro o seguindo.
  Com o susto os clientes finalmente foram embora, terminei tudo que tinha que fazer rapidamente, entrei no carro e senti uma dor tão profunda, chegaria em casa mal dormiria e já acordaria para outro dia desgraçadamente igual ou pior.

  O assalto naquele dia não aconteceu, mas claro que mais cedo ou mais tarde aconteceria.
  Eu vinha tentando vender o restaurante há algum tempo, mas não aparecia nenhum interessado, pelo menos com dinheiro vivo, eram só propostas mirabolantes que me cheiravam a golpe ou falta de juízo.

  Naquele dia eu fui dirigindo para casa chorando convulsivamente, não conseguia me controlar, alguns meses atrás eu tinha jurado para eu mesmo que não seria derrotado, já tinha passado por tanta coisa, tantos momentos difíceis e não seriam aquelas dificuldades que iriam me derrubar.
  É, mas dessa vez não deu, não era tão forte quanto pensava, a imagem projetada não correspondia a minha capacidade real.
  Se ao menos eu estivesse tendo um bom lucro, mas nem isso, por vezes mal dava para fechar as contas, era desesperador.

  As lágrimas podem durar por toda uma noite, mas ao amanhecer... virá mais dor e ranger de dentes.



  O imponderável acontecia e num piscar de olhos me levava qualquer dinheiro extra que entrava com muito suor e trabalho.
  Sempre o risco de um agente sanitário mal humorado me dar uma multa por qualquer coisa, são tantos detalhes, funcionários achando que você é rico e sempre pressionando por aumentos, risco de assalto...
  Sei de pessoas que passam por situações piores e aguentam firme, mas eu não sou assim, gostaria de ser.
  Vejo pessoas com tantos projetos, tantas aspirações, dispostas a sacrificar muitas coisas, dinheiro, tempo, família... tudo na expectativa de uma vida melhor, de realizar um sonho.
  Eu não tenho grandes projetos, em 2006 acho que não cheguei ao meu limite, mas observei que estava bem próximo.
  Talvez fosse o cansaço, foram tantas lutas desde cedo.
  A frase que dominava minha mente naquela noite era:

“Eu não aguento mais.”

  Dei um novo rumo em minha vida.
  Sem grandes sonhos nem aspirações.
  Eu tinha um potencial enorme, algumas pessoas do meu círculo esperavam tanto de mim que se surpreendiam com a situação apática que fiquei.
  Frustração?
  Sei lá, não vou negar que tenho um pouco desse sentimento, mas não chega a ser um tormento, a frustração não domina meus pensamentos.
  Consegui ajustar minha capacidade real a minha imagem projetada, sou o que consegui ser, sou o que me foi permitido ser e até que atualmente é uma situação satisfatória.
  Se um dia eu tive um grande potencial depois de 2006 eu não tinha mais, não iria ficar brigando com a vida.
  É como se a vida me perguntasse: AMIGO OU INIMIGO?
  Eu respondi amigo.
  A vida sussurrou em meu ouvido:

  Para que ficar dando murro em ponta de faca?
  Eu não sou um “escolhido” para ter sucesso, aprendi a conviver com isso.
  “Perdi faz tempo a ilusão de que posso tudo, aliás posso bem pouco.
  Se nada de mal me acontece já me sinto no lucro.”
  [I'm Loser]


Anterior          <>        Próximo