segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

O Barato da Fé

  “Os homens podem ter várias espécies de prazer. O verdadeiro é aquele pelo qual eles deixam outro.” 
[Marcel Proust]

   Nós passamos por várias fases, cada qual tem seu prazer.
  Mas tem aquele prazer que nos acompanha por toda vida, aquele prazer que é da nossa natureza.

  Estava trabalhando ao lado da minha colega Fatinha quando uma senhora de 80 anos começou a conversar com ela.
  Pareceu não se importar com minha proximidade, até queria que eu ouvisse.
  Não gosto de ouvir conversas dos outros, mas não sou surdo.
  A mulher disse que gostava muito de sexo.
  A necessidade dela é tanta que o marido faz tempo que abriu mão de algum controle, ela apontou o homem e as idades são próximas.
  Pelo jeito dela falar ele estava até conformado com traições.
  Ele não dava conta e não queria se separar dela o jeito foi dividir a carne...
  Não conheço nenhuma doença que aumente o desejo sexual feminino ou que o desejo aumente na "terceira idade".
  Deduzo que a mulher nasceu com essa compulsão sexual e deve ter transado muito, o sexo é um prazer da sua natureza.

  O motivo do desabafo dela com estranhos foi por conta de uma indignação/inconformismo.
  Alguma reclamação familiar (marido ou filhos) levou o médico a receitar um remédio para diminuir o desejo sexual dela.
  Ela disse que não aceitava de jeito nenhum e ninguém iria obriga-la a tomar.
  A senhora naqueles breves minutos me pareceu extremamente lucida e bem humorada.
  Se ela não quer o tratamento não há lei no Brasil que a obrigue a se submeter.
  E aqui aconteceu a provocação que disparou esse texto:

  Todos nós temos algum tipo de prazer quantos estariam dispostos a abrir mão do seu?

  Eu evitei contato visual com a senhora por motivos óbvios, ela deixou claro que é tarada...
  Para 80 anos até que ela é ajeitadinha ... quem disse que sexo não faz bem.
  Mas receber um olhar de desejo dela seria um tanto constrangedor.
  Eu "imagino" que o constrangimento familiar surgiu de comportamentos indevidos da mulher ... claro que aqui entramos no campo da divagação, não tenho dados suficientes para alguma conclusão.
  O fato é que seu prazer por sexo está trazendo problemas e mesmo assim ela não quer se livrar dele.

  Quando a mulher é "nova" ter uma vida sexual ativa não é muito difícil, ainda mais se ela só quer sexo.
  O marido seria o maior problema, mas se ele preferiu fechar os olhos...
  No caso de uma mulher de 80 anos encontrar parceiros fogosos fica mais difícil.
  A esmagadora maioria dos homens perdem muito da capacidade sexual a partir dos 50 ou menos.
  Hoje temos drogas sexuais o problema é esse homem mais velho preferir uma mulher de 80.
  Enfim, fazer um tratamento que apagasse o fogo da mulher tornaria sua vida mais ... tranquila.
  De certo ela entende isso, mas se recusa ao tratamento, prefere todo constrangimento trazido por seu prazer, não concebe viver sem ele.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Eu entendo essa mulher, tenho o mesmo problema com a Filosofia.

  Meus pensamentos me trazem um profundo isolamento e causam constrangimento aos meus familiares.
  Minha família é evangélica, tenho alguns parentes no Face e os meus textos questionando a Bíblia provocam muito constrangimento.
  Eles oram por minha conversão.
  Minha esposa posta essas mensagens melosas tiradas do contexto Bíblico eu coloco argumentos trazendo para o contexto e raramente é algo bonito.
  Eu fecho os olhos para a maioria das postagens, mas tem aquelas que não consigo deixar passar batido.

  Se meus pensamentos trouxessem dinheiro ainda seria algo desculpavel, mas trazem gasto, Internet de boa qualidade custa caro.

  Se alguém me oferecesse um tratamento para parar de filosofar eu não aceitaria.
  Porque?
  NÃO SEI!
  Não escolhemos o que sentir.
  Se não fosse a Filosofia eu provavelmente me enturmaria melhor, seria mais próximo de meus familiares, seria um esposo mais convencional, faria parte de alguma congregação/igreja, seria mais sociável no trabalho ... seria "bom" para mim.
  Igual aquela senhora gosta de transar eu gosto de pensar, é a minha natureza.

  No mundo existe muitos prazeres proibidos roubar e/ou matar, pedofilia, estupro ... claramente são o prazer de muitos.

  Existe os prazeres questionáveis o meu e o da senhora estão nessa categoria.

  Existe os prazeres louváveis, ajudar o próximo, plantar, salvar vidas... que bom que todos tivessem essa natureza.

  Muitos acreditam que podemos substituir um prazer por outro, mas quando esse prazer está entranhado em nossa natureza é muito difícil.
  É como o caso dos homossexuais.
  Se um homem sente prazer em transar com outro homem, transar com uma mulher nunca será a mesma coisa.
  Eu poderia escrever crônicas charmosas como o colega Frank Hosaka, mas não seria a mesma coisa.

  A estrutura de pensamento Prazer influencia bastante a Filosofia que prático.

  Exemplo, não sou a favor do uso de entorpecentes, simplesmente observo que é da natureza de muitos gostar do tipo de sensação/barato que essas drogas provocam.
  Considero perda de tempo proibir o uso de drogas, é mais eficiente administrar esse problema da melhora maneira possível regulamentando a produção, comércio e consumo.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
Vamos tratar do prazer Religião?

  Acho perda de tempo tentar o fim de igrejas e religiões.
  Eu não combato igrejas e religiões apenas alerto sobre a ineficiência do fanatismo.

  O prazer do louvor e adoração é da natureza de muitos humanos.

  Eu entendo a necessidade da minha esposa e familiares de adorar espíritos, frequentar igrejas.
  Entendo que há pessoas que sentem necessidade de cânticos, orações, sermões.
  Eu tenho necessidade do silêncio, na minha mente já tem barulho demais.

    Entrar em contato com o que grandes pensadores escreveram, flutuar por estruturas de pensamento é o meu barato.
  Para outros aceitar a Bíblia ou outro livro sagrado como 100% a palavra de algum Deus é o que lhes basta.
  Apesar das pessoas entenderem todas as evidencias sobre a fantasia das histórias bíblicas se você perguntar porque elas tem fé elas responderão com escapismos e frases feitas.
  Elas não admitem que não sabem porque a religião lhes dá tanto prazer.
  A Filosofia é meu prazer assim como sexo é da senhora de 80 anos.
  Nós não sabemos porque só sabemos que é assim.

  A maioria dos prazeres não são para serem combatidos, nossa atenção deve ser em não sermos consumidos por eles.

Os livros sagrados são basicamente literatura.

  Se você tiver ao menos esse entendimento já basta para que a Religião não torne sua vida muito ineficiente.

  Gostar de Guerra nas Estrelas, se fantasiar de seus personagens, citar frases do filme e até aplicar certos ensinamentos em sua vida gera momentos de muito prazer, o problema é você dar como certo que existe um Darth Vader ou Luke Skywalker lhe chamando para um lado da Força.

  No caso de judeus e cristãos Moises escreveu o que quis (ou foi inspirado) e quem copiou seus textos acrescentou ou tirou alguma coisa.
  No caso dos Islâmicos Maomé escreveu o que quis (ou foi inspirado) e quem copiou seus textos acrescentou ou tirou alguma coisa.

  Para literatura matar primogênitos ou abrir o mar é muito fácil.
  Escrever que há 70 virgens no paraíso para cada mártir consome poucos caracteres.

 Agora mesmo estão caindo notas de 100 dólares no meu quarto ... acredite quem quiser... sua imaginação é a tecnologia da leitura. (É de grátis)
  Mas daí alguém questiona:
  Se aparece notas de 100 dólares em seu quarto porque ainda trabalha?
  Eu respondo:
  Não pense, apenas tenha Fé e algum dia aparecerá notas de dólares em sua vida.
  Talvez esse milagre não aconteça tal qual acontece na minha vida, mas você conseguirá um bom emprego, terá a sua empresa própria ou ganhará na loteria.
  Se não tiver Fé, se questionar minhas palavras, todas essa maravilhas lhe serão negadas.

  Veja o que diz a Bíblia:

  Tu que habitas sob a proteção do Altíssimo, que moras à sombra do Onipotente, diga ao Senhor:

  “Sois meu refúgio e minha cidadela, meu Deus, em que eu confio.”

  O Senhor Deus te livrará do laço do caçador, e da peste perniciosa.
  Sua fidelidade te será um escudo de proteção.
  Tu não temerás os terrores noturnos, nem a flecha que voa à luz do dia, nem a peste que se propaga nas trevas, nem o mal que grassa ao meio-dia.

   Caiam mil homens à tua esquerda e dez mil à tua direita, tu não serás atingido.

  Porém com teus próprios olhos, contemplarás o castigo dos pecadores.

  Esse é o barato da Fé, você pode tudo em “seu” Deus e os que não concordarem com você arderão para sempre no fogo do inferno.

 Porque isso é fonte de tanto prazer para tantos?
  Não sei, só sei que é assim.
  Espero que aquela senhora encontre homens fogosos para transar com ela enquanto tiver saúde para isso.
  Espero que eu esteja lúcido até o final dos meus dias.
  Espero que os religiosos se concentrem mais no amor e menos no medo, foquem mais no bom senso e menos no fanatismo, amém?





  Barato: Efeito das drogas no organismo

  Quanto ao tipo de efeito no sistema nervoso podem ser classificadas como:

Depressoras - diminuem a atividade do sistema nervoso atuando em receptores (neurotransmissores) específicos.
  Exemplos: álcool, barbitúricos, lança perfume, clorofórmio, ópio, morfina, heroína, e inalantes em geral (cola de sapateiro, etc).

 Alucinógenas - Drogas perturbadoras/modificadoras, têm por característica principal a despersonalização ou modificação da percepção daí o termo alucinógeno para sua designação.
  Exemplos: Algumas espécies de cogumelos, LSD, maconha, ou ecstasy.

  Estimulantes - Produzem aumento da atividade pulmonar, diminuem a fadiga, aumentam a percepção ficando os demais sentidos ativados.
  Exemplos: cocaína, crack, cafeína, GHB, metanfetamina, anfetaminas.

  Nós passamos por várias fases na vida, passamos por muitos prazeres, deduzo que aquele prazer que permanece mais tempo em nós é o prazer da nossa natureza, isso só dá para definir depois de muitos anos de vida e uma boa dose de autoconhecimento.

  Eu já fui muito religioso, se eu não fosse a igreja pelo menos 1 vez na semana era como se eu não comece arroz e feijão.
  Eu acordava orando, orava várias vezes ao dia e adormecia orando.
  Dependendo da ocasião a religião agia como depressora ou estimulante, nunca cheguei a ter alucinações, mas já ouvi vários relatos sobre visões.

  É difícil não ter o “vicio” do sexo depois da adolescência, por um tempo transar era quase tudo para mim, só ficava abaixo da necessidade de ir à igreja.
  Quando uma mulher se interessava por mim, me sentia muito estimulado, poderoso, depois dos “finalmentes” era muita paz, auto realização, uma afirmação da minha “macheza”.
  Porque me sentir macho e desejado me fazia tão bem?
  Não sei, só sei que era assim.
  Uma mulher “direita” (no sentido de não ser prostituta, bêbada ou drogada) não sai com qualquer um, ela me escolher para algo tão íntimo como sexo era uma inenarrável honra.
  Muitos tentaram, mas eu fui um dos poucos que consegui.
  Sexo mexe muito com nossa imaginação, aquela “nova conquista” aparece em nossa mente de todas as formas, uma mais “bonita” que a outra, mas não chega a provocar alucinações ... se desconsideramos os sonhos eróticos.
  HAHAHAHAHAHAHAHH!
  Lembrei de um colega, ele apontou uma garota muito bonita e me disse que já havia transado muito com ela.
  Eu achei pouco provável apesar de saber que eles tinham uma boa amizade, conhecendo ele, não acreditei que ele teria atitude para conquistar uma mulher igual àquela, mas a vida é sempre cheia de supressas.
  Olhei nos olhos dele e perguntei, é sério?

  “-Em sonho eu arrasei com ela”.

  Isso dá para acreditar...

  O que a Filosofia provoca em mim?
  Buscar a melhor resposta, decifrar enigmas, caçar informações ... dá uma adrenalina danada.
  Essa busca quando está em andamento me consome, me faz esquecer qualquer vazio, a mente entra em espiral, perco a noção do tempo, minutos podem parecer horas e outra vezes horas passam em segundos.
  Eu escrevo com alarmes programados no celular, computador, tablet, para me despertar do transe.
   Quando eu chego a melhor resposta a mente fica “iluminada”, mesmo que a resposta não seja agradável, mesmo que não seja a “opinião” que eu gostaria de defender.
  Perseguir a verdade é isso que me importa.
  Me aproximar da verdade (ou ter essa sensação) me dá uma paz inenarrável, a adrenalina é substituída por uma serenidade, uma plenitude.
  Depois vem a prova de fogo, os debates.
  A adrenalina volta ao pico.
  Se a estrutura de pensamento apresenta falhas ... sou jogado de volta na busca, a caçada continua.
  Mas se não encontro contra argumentos a altura ... minha mente vira um “Sol”, me sinto forte, poderoso, um ILUMINADO.
  Claro que essa sensação não dura muito, algum alarme me desperta, eu tenho que fazer arroz, lavar louça, levar a filha na escola ... ir trabalhar em um emprego medíocre para ganhar alguns trocados.
  Porque esse enorme prazer em filosofar?
  Não sei, só sei que é assim.
  Esse é um dos enigmas que nunca consegui decifrar...

  

Anterior          <>        Próximo 

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Homens Meninos do Rio

  “No Liberalismo a responsabilidade individual fica em destaque.
   No Socialismo a responsabilidade coletiva fica em destaque.” [William Robson]

  “A grande responsabilidade do ser humano consiste em saber discernir.
   O mundo espera que cada um de nós assuma esta importante tarefa do justo equilíbrio.” [Textos Judaicos]



1-  Uma decisão equivocada de um policial militar culminou com as mortes dos moto taxistas Jorge Lucas de Jesus Martins Paes, 17 anos, e Thiago Guimarães Dingo de 24 anos.

  Um sargento do 41ºBPM (Irajá), que não teve o nome divulgado, confundiu um macaco hidráulico que as vítimas transportavam, com uma arma e realizou um disparo matando os dois. [O Dia]
 


2-  Há duas semanas, um policial foi reconhecido e morto por bandidos.
 O soldado Bruno Rodrigues Pereira foi encontrado em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, com sinais de tortura.

  De acordo com a polícia, ele levou um tiro, foi amarrado e arrastado por um cavalo pelas ruas de uma favela. [Globo]





3- PMs vão presos após 5 jovens serem mortos em carro no Subúrbio do Rio.
  A noite deste sábado prometia ser de mais um fim de semana de diversão para os amigos de infância Roberto de Souza, 16 anos, Carlos Eduardo da Silva Souza, 16, Cleiton Corrêa de Souza, 18, Wesley Castro, 20, e Wilton Esteves Domingos Junior, 20, conforme relatos de familiares.
  Eles tinham acabado de voltar do Parque de Madureira, na Zona do Norte, e iam lanchar por volta das 23h na comunidade de Costa Barros, quando o carro em que estavam foi alvo de inúmeros disparos na Estrada João Paulo, na altura da curva do Vinte, Subúrbio do Rio.
  Policiais militares são suspeitos de atirar contra os jovens e alterar a cena do crime, de acordo com as investigações da 39ª DP (Pavuna). [Globo]
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Lendo essas notícias nossa percepção é que o Rio de Janeiro é o Estado mais violento do Brasil. 

  Você sabia que essa percepção não corresponde à realidade?

Estado      Homicídios a cada 100 mil habitantes em 2013 [Revista Exame]
Alagoas                        64,7
Ceará                           48,3
Espírito Santo              40,6
Sergipe*                       40
Goiás                            39,9
Pará                             39,9
Paraíba                        38,6
Bahia                            36,1
Mato Grosso                32,6
Pernambuco                31,9
Rio de Janeiro             28,9
Rondônia                     27,1
Distrito Federal            25,7
Acre                             25
Amazonas                    23,8
Paraná                         23,3
Maranhão                    23,2
Rio Grande do Norte* 22,1
Amapá*                        21,5
Minas Gerais               20,7
Roraima*                      20,6
Mato Grosso do Sul   20,1
Tocantins*                    19,6
Rio Grande do Sul      18,1
Piauí*                           15,9
Santa Catarina*          10,8
São Paulo                   10,8

*Estados com dados menos confiáveis, de acordo com Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

  Note que há 10 Estados em situação mais crítica que o Rio de Janeiro.
  Outra coisa que chama a atenção é que 7 Estados tem dados “menos confiáveis”.

  As TVs concentram suas reportagens e imagens no Rio e em São Paulo se mostrassem o que acontece em Alagoas e Ceará o Rio seria considerado pacifico e SP quase um paraíso.
  Mas o fato incontestável é que o Brasil é um país muito violento com altas taxas de criminalidade.
  O que dificulta muito nossa melhora no combate à criminalidade é que nossas percepções desse problema são erradas/distorcidas.
Percepções erradas geram ações ineficientes.

  Veja o caso da morte dos 5 jovens no Rio de Janeiro.
  O que mais chamou a atenção das pessoas e repercutiu nas redes sociais foi o fato dos garotos serem negros.
  A percepção geral (distorcida) é que se fossem brancos não seriam mortos.
  Eu li diferentes veículos de comunicação e não entendo porque a massa chegou a essa dedução.
  A primeira coisa a me chamar a atenção foi a dificuldade em saber exatamente o que os policiais estavam fazendo naquele local.
  Deveria ser a informação mais fácil e accessível no entanto eu não encontrei.
  Assisti um depoimento que dizia que os policiais estavam interceptando um caminhão roubado.
  Isso explica a tensão que estavam para terem disparado tantos tiros.
  Esse depoimento eu assisti de passagem em um jornal que nem lembro qual, foi muito rápido, portanto nem sei até que ponto é preciso, mas parece fazer mais sentido.

  Do jeito que nos foi passada a notícia parecia que os policiais estavam em um patrulhamento de rotina avistaram jovens negros dentro de um carro e decidiram atirar.

  Se a informação que estavam interceptando carga roubada for verídica ajuda a entender o que aconteceu.
  No Rio os bandidos não ligam de matar policiais, dependendo da situação são seus alvos preferidos.
  Na ação é natural que os policiais estivessem com os nervos à flor da pele, adrenalina a mil.
  O mais nervoso e incompetente deles avistou um carro avançando e entendeu que fosse uma escolta armada dos bandidos.
  O policial começou a atirar e alertou os companheiros que acreditando no julgamento/discernimento do colega de farda também começaram a atirar.
  Sem revide por parte dos ocupantes do carro a ação foi rápida e fulminante.
  Quando foram verificar ficou fácil perceber que tinham feito uma monumental burrada.
  Daí o desespero e a tentativa de modificar a cena do crime.

  Pensem comigo:

  A ação ocorreu a noite, o carro alvejado tinha película insulfilm.
  Você realmente acredita que o primeiro atirador chegou a identificar a cor dos ocupantes do carro?
  Por todos os ângulos que olhamos fica difícil perceber um crime de preconceito racial.
  O fato de não ter nenhum branco no carro foi puro acaso.

  

 O crime foi terrível mas se resume a falha policial esse deveria ser o foco.

  Essa ocorrência foi tão lastimável que evitei fazer comentários.
  Cinco vidas perdidas de maneira tão abominável, por conta da decisão errada de um policial que também terá sua vida e de seus 3 companheiros muito tristemente modificada ... “se” a justiça for feita. [É o que esperamos/exigimos]

  Eu observei a percepção errada da massa, mas preferi ficar em silêncio em respeito à comoção dos amigos e familiares.
  Mas surgiu uma provocação e o texto foi inevitável.

  Por conta da tragédia o Tenente Coronel Marcos Netto foi exonerado.

  Eu não conheço o trabalho desse comandante talvez ele tenha um histórico de problemas e mereça ser exonerado.
  Vamos adotar o critério que todos são inocentes até prova ao contrário.
  Sei lá, eu e alguns colegas fazemos uma burrada e nosso diretor é exonerado!

  Até que ponto o diretor da empresa pode ser responsabilizado por uma falha minha?

  Sim, mais uma vez por incrível que pareça estamos diante das ideologias capitalismo/liberalismo e comunismo/socialismo.

  No Liberalismo a responsabilidade individual fica em destaque.
  No Socialismo a responsabilidade coletiva fica em destaque.
  É obvio que em nenhuma das duas ideologias uma responsabilidade anula a outra.

  Se fosse uma ordem direta do Tenente Coronel ou algum abuso de poder até faria sentido, mas esse não foi o caso, pelo menos não foi apresentado nada que ligue a ação dos policiais a alguma ordem do comandante.
  Marcos Netto foi duramente punido em nome da “Coletividade”.

  Eu sou Liberal, nesse crime se eu tivesse poder de julgamento, a pena mais dura seria para o primeiro policial que atirou.
  Os outros policiais pegariam metade da pena.
  E o Marcos Netto?
  A qualidade do seu comando ficaria sob avaliação.
  Exonera-lo seria uma medida extrema baseada em fatos contundentes.
  Se esses fatos não existem ... estamos diante de uma enorme injustiça.
  Não me parece que ele foi duramente punido apenas por ser negro, a punição ocorreu devido nossa CULTURA ineficiente.

  Mas confesso que a provocação surgiu porque o comandante exonerado é negro.

  É tristemente irônico que o punido por um crime que a massa percebeu como racial foi um negro que alcançou sucesso na carreira.

  Tristes trópicos.


“O fim da esperança é o começo da morte.”
[Charles de Gaulle]
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
Vejam que absurdo:
PM preso, bandidos liberados.

 Anterior          <>        Próximo 

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Controle Emocional

   Estereótipo é a imagem pré-concebida de determinada pessoa, grupo ou situação.
  É usado principalmente para apontar defeitos, qualidades ou hábitos de pessoas ou grupo de pessoas na sociedade.
  Pode criar uma falsa expectativa ou discriminação.
  É importante priorizarmos o bom senso.

Falsa expectativa – Temos um pré conceito que japonês é sempre inteligente, o Japão é um país muito desenvolvido, é comum aqui no Brasil japoneses (descendentes) serem bons alunos e estarem nos primeiros lugares em aprovação de concursos.
  Em um recrutamento para sua empresa com vários candidatos, devido ao estereótipo criado, o “asiático” começa com grande vantagem.
  É evidente que você não pode conceber que todo japonês seja gênio, a sua expectativa com a eficiência do contratado pode não corresponder a realidade.

Discriminação – Já faz bastante tempo que temos notícias de islâmicos se explodindo, desde que me reconheço por gente vejo esse tipo de ocorrência em revistas jornais e TV.
  Isso criou um poderoso estereotipo que mesmo que islâmicos parem de explodir e se explodir ficará por séculos em nosso “inconsciente coletivo”.
  Um avião explodiu a primeira coisa que pensamos é que foi um atentado, a segunda é procurar algum nome árabe ou alguém que tenha uma possível ligação ou parentesco com islâmicos.
  A discriminação nada mais é que uma “expectativa negativa.”

Bom senso – Não temos como evitar os estereótipos em nossa mente, o estereótipo é um atalho que o cérebro faz para ser mais eficiente, é aquela analise automática à primeira vista.
  Mas como todos sabem ou deveriam saber:

  “Não devemos julgar um livro pela capa.”

  A primeira impressão ou expectativa é inevitável, o importante é não nos limitarmos a superficialidade.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Mulheres negras sofrem mais violência doméstica.

  É o que as estatísticas dizem, mas para “tentarmos” entender porque temos que meditar.
  Há um consenso geral que é puro preconceito contra a mulher negra ...pode ser.
  Vamos audaciosamente onde nenhuma mente jamais esteve.

  Nossa viagem começou em estereótipos.
  Eles podem surgir de uma piada/chiste que pegou.
  O chiste que torcedor do São Paulo é gay pegou, mas não tem nenhuma pesquisa comprovando que há mais homossexuais entre os são paulinos que em outras torcidas.
  O mesmo podemos dizer em relação a corintianos serem assaltantes.

  Há décadas atrás o filho do Prefeito Orozimbo Maia se assumiu homossexual, em cima desse acontecimento generalizou-se que Campinas tem mais homossexuais.

  Estereótipos surgem também de observações, casos concretos os quais a cultura popular generaliza.

  “Alemão é comedor de salsicha”, realmente salsicha é um alimento importante na culinária alemã assim como macarrão é uma marca registrada dos italianos.
  Russos são bêbados?
  O consumo de vodca nessa nação é altíssimo, é uma bebida com alto teor alcoólico.

  Me basta você entender que:

Estereótipos não surgem do nada.

  Negros são mais violentos que outras raças (tons de pele)?
  A observação nos diz que sim, claro que como nos outros casos não podemos generalizar.
  É martelado em nossa mente que tudo é fruto da discriminação, mas se você pesquisar verá que os crimes realmente são cometidos.
  O réu negro realmente roubou o bar, comercializou droga ou agrediu alguém.
  O cidadão por não ter uma defesa eficiente pode pegar uma pena maior do que alguém que tem uma boa defesa pegaria, mas isso está mais ligado a situação econômica que a cor da pele.
  Um branco pobre também não tem dinheiro para pagar bons advogados e fica sujeito às mesmas consequências.

  Se a discriminação/racismo fosse a causa da prisão ou o cometimento dos crimes seria fácil provar.
  Na África a maioria da população é negra então naquele ambiente podemos tirar a discriminação/racismo da equação, a violência deveria ser drasticamente diminuída e qualquer um que lê notícias sobre a África sabe que não é o que ocorre.
  Países de maioria branca como a Holanda presídios são fechados por falta de quem prender.
  Em certos países africanos o índice de presos também é baixo porque faltam vagas e a polícia e o judiciário não funcionam com eficiência.
  Aqui no Brasil acontece isso, poucos homicídios são solucionados e há uma enormidade de pessoas que não são presas por falta de vagas.

  Fica parecendo que aqui no Brasil invocar a discriminação e só uma tentativa de atenuar a prática do delito.

Ele matou porque é preto e pobre.

  O fato de matar é minimizado, o preto e pobre destacado.
  O cidadão não está preso porque é ruivo, loiro, pardo, negro... está preso porque cometeu um delito.
  Se há dúvidas no processo e investigação essas entidades que lutam contra o preconceito e discriminação deveriam agir no sentido de contratar investigadores independentes e bons advogados.
  Não acredito que nenhum cidadão de bem queira algum inocente preso... de qualquer cor ou nacionalidade.
  Se o Zé Dirceu ou o Zé da Silva está preso por perseguição política ou discriminação que se puna os responsáveis pela investigação e processo.
  Agora, simplesmente dizer que estão presos só porque chamam José ... assim não pode, assim não dá.
  Se chamassem William Robson não estariam presos porque é um nome “chic” no urtimo...

  Se proporcionalmente há mais negros presos é porque mais negros cometem delitos, essa seria a primeira leitura lógica desse tipo de estatística e é a mais ignorada, deixada de lado.
  É um pré conceito estatístico as avessas.

  Porque há mais homens presos do que mulheres?
  Porque homens são mais violentos, cometem mais crimes, não vejo ninguém olhando essa estatística e dizendo que homens são discriminados pela sociedade

  Porque estou escrevendo isso?
  As estatísticas mostram que a maior vítima da violência doméstica é a mulher negra.
  Tudo obviamente foi creditado ao machismo, discriminação, racismo.
  A tese do machismo como vimos no texto anterior não se sustenta.
  Homens matam muito mais outros homens que mulheres.
  Homens são mais violentos e ponto.
 
  A tese do racismo também não se sustenta.
  O cidadão casou ou namora com alguém que detesta!?
  Estamos falando de violência doméstica lembram!
  Não dá para argumentar que uma loira que casa com um homem negro tem preconceito.
  Não dá para argumentar que um homem branco que casa com uma negra tem preconceito.
  Pense comigo.
  No Brasil há muitos casais multirraciais, entretanto a maioria dos negros e pardos casam com negros e pardos.
  A maioria dos brancos casam com brancos.

    “Brasileiros se casam mais com 'iguais' em raça e escolaridade.” [UOL]

  Isso não me parece algo que foge a lógica.
  Se você mora na favela faz amigos na favela e a possibilidade de encontrar seu amor na favela é muito grande.
  Se você nasce em “berço de ouro” frequenta ambientes refinados, colégios caros, faz amigos nesse meio e namoradas nesse ambiente.

  Se a mulher negra sofre mais violência doméstica é porque o marido negro é mais violento.
  Quem está batendo nela é alguém do seu próprio tom de pele.
  Essa lógica entra em sua mente?

  Uma mulher mais violenta, confrontando um homem mais violento ... a probabilidade do pior acontecer aumenta bastante.

    Calma, respire fundo, sei que muitos estão indignados, mas se concentrem nos argumentos.

    Já notou que não encontramos certos tipos de pesquisas?
    Pelo menos eu não achei, quem achar coloque um link, fico grato.
    Homens negros não estão presos por nada, alguma coisa fizeram.
    Logo, fica fácil pesquisar sobre suas vítimas usando o critério da cor da pele.
    Quantos brancos foram vítimas de crimes praticados por negros?
    Quantos negros foram mortos por negros?
    Você não fica curioso para saber esses números?
    Estupradores negros evitam mulheres brancas?
   Assaltantes negros não assaltam negros?

   Porque fica fácil publicar uma manchete:

  “Em 2010 foram assassinadas 4.477 mulheres, um odioso feminicídio na sociedade patriarcal, machista.”

  No mesmo ano de 2010 foram assassinados 48.493 homens, essa informação fica sem destaque no meio do texto ou nem é colocada.
  Se há mais mulheres que homens no Brasil e bem menos mulheres são assassinadas quem consegue defender que há um feminicídio?
  Eu não consigo.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Dizem que a polícia é racista, não sei a realidade de outros Estados, mas aqui em SP o que não falta é policial negro/pardo.

  Para a polícia ser racista deveria ter em seu estatuto aceitar só brancos.
  O policial negro vê seus companheiros de farda prenderem um cidadão só por ser negro e os ajuda!!

  Até agora a melhor resposta que encontrei para toda essa situação é genética.

  Negros não são mais violentos e ansiosos porque querem, mas porque há uma pré disposição genética.
  Diante dessa constatação o que podemos fazer?
  Primeiro devemos deixar de fazer...

  Devemos parar de acreditar que essa violência é fruto 100% da discriminação.
  O preconceito/estereótipo surge da observação, surge dos números.

  Tente não ser hipócrita, aqui na leitura desse texto você está sozinho com sua consciência, esqueça a máscara social.

  Você tarde da noite tem que passar por uma de duas ruas:

  Em uma tem dois cidadão negros com aquelas roupas de hip hop e na outra tem dois cidadãos negros vestidos como evangélicos.
  A maioria preferirá ir pela rua dos evangélicos.

  Em uma rua tem dois homens na outra duas mulheres.
  Pelo estereótipo preferimos seguir pela rua das mulheres.

  Em uma rua tem dois garotos negros e na outra tem dois garotos brancos, a maioria preferirá arriscar com os garotos brancos.

  Você quer chegar a algum lugar e o GPS indica um caminho em meio a favela e outro por um bairro urbanizado...

  Notem que todas as escolhas são baseadas no que observamos em nosso dia ou por notícias que tomamos conhecimento.
  Preconceitos e estereótipos não surgem do nada.
  Se eu encontro um gato solto na rua minha ação é nenhuma, é raríssimo um gato atacar um humano.
  Se é um cão Pitbull ou dobermann eu fico atento, meu cérebro pega naturalmente esse atalho.

  O cidadão já nasce mais pré disposto a violência e o que fazemos?
  Martelamos desde cedo que ele é explorado, discriminado, que toda sociedade tem uma dívida histórica com ele.
  É como jogar ácido no olho da pessoa e esperar que ela fique calma.
  É como apagar incêndio com gasolina.

  Agora vamos ao que podemos fazer.
  Em primeiro lugar é essa conscientização.
  Se você nasce canhoto precisa se adaptar a essa característica.
  Se você geneticamente tem estatura baixa tem que se adaptar a essa característica.
  Se você nasceu diabético tem que se adaptar a essa característica
  Da mesma forma você pode nascer com qualidades e fazer bom proveito delas.
  QI elevado, resistência física, boa memória, músico, desenhista, matemático... escritor.

  Se você nasce mais ansioso e/ou violento tem que se adaptar a essa característica evitando que ela traga transtornos para sua vida ou dos outros.

  A princípio aquela criança “de qualquer cor” que apresentar um comportamento mais indisciplinado pode ser direcionada a praticar alguma terapia ou exercício.
  Artes marciais como Caratê e Kung Fu tem uma disciplina muito eficiente aliado a uma extravasão de energia.
  No caso da criança negra ao invés de seus pais dizerem que a sociedade branca as odeia e que há uma dívida histórica a ser resgatada...
  Poderiam contar o histórico de violência e eternas brigas tribais no continente africano e principalmente dizer que podemos fazer diferente.

  Os japonese tem esse estereótipo de uma cultura que busca o equilíbrio.
  Se toda energia da cultura/genética negra for direcionada para fins mais nobres/civilizados podemos prever um belo futuro, mais harmonioso e com menos negros na prisão.

  Em casos mais graves podemos apelar para ansiolíticos.
  Não limite esse texto a análise do comportamento de negros, amplie para pessoas ansiosas e violentas de qualquer tom de pele.
  Se você observa que seu filho(a) é muito irritadiço impaciente e não consegue se controlar, de alguma forma temos que tentar ajudar.
  Geralmente o comportamento difícil começa a se revelar na creche e escola.
  Antes de se revoltar contra o professor, diretor ou colegas do seu filho de qualquer escola é melhor prestar muita atenção no que eles dizem sobre seu filho.
  Estereótipos não surgem do nada.
  Se dizem que seu filho é um pestinha, não tenha tanta certeza que ele não é.
  Você pode sair pelo caminho fácil de dizer que ele está sendo discriminado, mas será mais eficiente se ater aos fatos.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
  Amarrando ao texto anterior...
  Quando você tem pavio curto é impaciente, ansioso, podendo chegar muito mais rápido a violência.

 Mais que isso, não tem paciência ou disciplina para esperar por resultados.
  Você sente vontade de xingar alguém, xinga.
  Sente vontade de bater em alguém, bate.
  Algo está muito difícil/complicado, você desiste: “Não quero mais essa por#a! Tô fora!”

  A falta de progresso que acomete muitos indivíduos violentos/ansiosos (de qualquer cor) não é preguiça, falta de inteligência ou uma sociedade do contra.

É falta de controle EMOCIONAL.

  Vejamos um exemplo.
  Meu pai era forte, saudável, inteligente, trabalhador.
  Desde a adolescência trabalhava entregando jornais.
  Não sei se foi por conta do “milagre econômico” ocorrido na década de 70, mas meu pai trabalhou nas melhores empresas de Campinas.
  Minha mãe contava que ele sempre era muito elogiado no trabalho, mas tinha muita dificuldade em receber ordens.
  Acabava sempre brigando com o encarregado.
  Convenhamos que por melhor que você seja é difícil progredir se briga com o chefe.
  Não precisa ser “puxa saco”, mas respeito a hierarquia é fundamental.
  A promoção em qualquer empresa sempre tem muito de política, se você não tem paciência para construir boas relações tudo fica muito difícil.
  Sem promoção, sem salário melhor.
  Eu só consegui uma melhora substancial na minha vida econômica quando passei a encarregado de produção.

  Quando você é muito ansioso a rotina escolar te cansa.
  Meu pai (não tenho certeza) estudou até a sexta série (segundo ano ginasial) tenho uma vaga lembrança dele começar supletivos para concluir os estudos, mas nunca levou a cabo.

  Não é o caso do meu pai, como disse ele era trabalhador.
  Mas na minha juventude tive contato com colegas que seguiram para o mundo do crime.
  O discurso basicamente era o mesmo.
  O que o indivíduo iria ganhar trabalhando um mês poderia conseguir com dois ou três assaltos.
  Lembro de um colega “branco” o qual eu conheci na escola, mas ele parou de estudar na quinta série.
  Quando eu estava no primeiro ano colegial ele foi preso pela primeira vez (que eu saiba).
  Quando foi solto eu e outros falamos para ele tomar jeito, ter juízo, arranjar um trabalho.
  Ele disse que só sairia do crime se ganhasse X por mês.
  Eu nem lembro que moeda era, mas digamos que ele queria um emprego que pagasse a ele sem experiência nenhuma uns 3 mil reais por mês...
  O cidadão não tem paciência para construir uma situação, ele quer atalhos, a venda de drogas e assaltos são os caminhos mais curtos para conseguir dinheiro. (Prostituição no caso das mulheres)

  Voltando ao meu pai, na ansiedade, casou bem cedo, não tinha 18 anos completos.
  Se encheu de filhos.
  Não parou em nenhuma empresa, não criou situações favoráveis ao seu progresso.
  Não tinha paciência com a esposa e com os filhos.
  Pôr as coisas não darem certo se sentia perseguido por tudo e por todos o que o deixava ainda mais ansioso e violento.
  O chefe a empresa o discriminava e perseguia.
  Os parentes “invejosos” (não sei dizer de quê) faziam macumba contra ele.

  Eu acredito que meu pai poderia ter uma vida muito mais satisfatória se através de alguma terapia conseguisse um melhor CONTROLE EMOCIONAL.

  Na juventude lutou Boxe, deveria ter continuado com a pratica desse esporte, quem sabe sua “testosterona” ficasse equilibrada.

  Eu descobri a minha ineficiência emocional muito cedo, por volta dos 5 anos quando joguei água fervendo na minha irmã.

  [A lógica entra espantosamente fácil em minha mente ... deve ser algum dom, claro que quando eu era criança pensava que isso fosse comum a todos]

  Só sei que pensar e medir as consequências antes de agir passou a ser uma obsessão.
  Eu tive que alongar meu pavio.
  Observar, verificar padrões passou a ser um habito.

  Eu estudei o máximo que pude, algumas circunstancias me fizeram interromper a faculdade, mas era o melhor a fazer naquele momento, se eu soubesse que a empresa que eu me dediquei tanto iria fechar de certo minha decisão seria outra.
  No entanto o salário de encarregado me permitiu comprar meu apartamento, ter meu tão sonhado imóvel próprio em um bairro muito bom.
  Minha disciplina me fez estudar muito por conta própria e conseguir um serviço público, agora ... confesso que estou exausto.
  Vou parando minha luta por aqui, vou parando essa sequência por aqui.
  Vou vivendo minha vidinha tranquila, escrevendo, filosofando, tentando ser um bom companheiro para minha esposa, um bom pai para minhas filhas, ser útil para meus companheiros de trabalho, um bom vizinho ... um pacato cidadão. 
  Não exijo muito de mim e nem de ninguém.
  Minhas emoções estão atenuadas, não há muito o que controlar.
  Não estou querendo ensinar nada a ninguém, não tenho essa capacidade.

    “Não posso ensinar nada a ninguém, eu só posso fazê-lo pensar.” [Sócrates]
  Valeu Sócrates!



   Não tenho nenhuma foto de meu pai, mas esse ator é muito semelhante a ele.

   É preciso viver e viver não é brincadeira não.

   Nelson Teodoro ... descanse em paz.

Anterior          <>        Próximo 

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Pavio Curto

  Na civilização judaica cristã “minha percepção” é que 85% dos homens não agridem as mulheres, vamos meditar sobre os 15% que saem da normalidade. [Estatística Roxa]

Homens são mais violentos que mulheres?
Os números dizem que sim, isso é um fato.

  Isso quer dizer que todos os homens são violentos e todas as mulheres pacificas?
  Claro que não.
  Há mulheres que por qualquer coisa querem partir para briga, a sorte é que geralmente são mais fracas que seus parceiros senão o cidadão apanharia várias vezes ao dia.

   Meu pai não era tão violento quanto outros homens que já observei, tem homem que é torturador, sádico.

  Claro que absolutamente nada justificava meu pai bater na minha mãe, mas se minha mãe fosse menos irritadiça/ansiosa talvez nem apanhasse.
   Minha mãe falava, falava, falava ... levava qualquer um ao limite.
   Claro que eu adorava minha mãe não considero isso denegrir sua imagem, espero que sua história ajude outras pessoas a viverem melhor.
  Quanto a meu pai ... infelizmente não consigo localizar em mim aquele amor que um filho deveria sentir pelo pai, mas não o achava um mau sujeito, apenas extremamente infantil como tantos humanos são.
  Se eu fosse defini-lo seria: Uma “criança crescida” com pavio curto e surtos de violência.

  Pavio Curto - Pessoa de comportamento explosivo, pouco paciente ou tolerante.

  (Nesse momento basta para eu que você entenda que não apagamos fogo com gasolina, quando o casal tem pavio curto as brigas são inevitáveis, esse entendimento será muito importante no próximo texto.)

   Meu pai era forte, o resultado de leva-lo ao limite nunca seria bom para minha mãe.
  Eu desde cedo já conhecia os limites do meu pai e seria ilógico ultrapassa-los.
  Puxei muito pela memória é só me lembro de ter apanhado do meu pai uma vez enquanto que de minha mãe foram várias vezes... os limites da minha mãe eram bem baixos você os ultrapassava até sem querer.
  Quero dizer que com a personalidade do meu pai e de minha mãe a violência verbal era inevitável podendo chegar a violência física.

  Porque meu pai me bateu?

   Eu e meus irmãos possuíamos uma caneca de plástico da mais barata que você imaginar, uma para cada um.
  Copo de vidro não havia.
  Tinha um copo de alumínio onde meu pai deveria tomar a cachaça  dele.
  Só sei que eu fiz um chá de erva cidreira e ao colocar na minha caneca subiu aquele cheiro de pinga.
  O gosto de pinga ficou no chá.
  De certo meu pai não achou o copo de alumínio e usou minha caneca.
  Isso já havia ocorrido antes, cachaça deixa um gosto residual no plástico que demora para sair.
  Em um momento de descontrole eu praticamente gritei com meu pai.

  PAI, NÃO USA MAIS MINHA CANECA PARA BEBER PINGA!

  Meu pai óbvio não gostou nada do jeito que eu falei, ele me deu um tapa o chá caiu todo na minha perna, ainda bem que não estava muito quente.
   Ele me deu o segundo tapa, como eu não esbocei a menor reação e não falaria absolutamente nada acredito que pararia por aí com um pequeno sermão sobre o respeito que eu lhe devia.      
  Acontece que minha irmã ficou indignada e interviu xingando.
  Meu pai foi atrás dela que correu para cozinha.
  Nisso eu fiquei desesperado, preocupado com o que aconteceria a minha irmã, o que eu poderia fazer contra um homem daquele tamanho!?
  Eu ouvi um barulho alto e oco corri para cozinha para implorar a meu pai que parasse de bater na minha irmã.
  A cena foi tão inesperada que tudo parecia em câmara lenta para logo em seguida desenrolar em super velocidade.
  Minha irmã acertou meu pai com a panela de pressão e saiu correndo pela porta da cozinha, ela sempre foi pavio curto, puxou meu pai e minha mãe.
  Meu pai não chegou a desmaiar, mas estava cambaleando.
 
  Morávamos na Vila Industrial todos sabiam dos nossos problemas, a vizinha trancou minha irmã na casa dela.
  Ao ver o que tinha acontecido eu e meus irmãos saímos correndo de casa o mais distante possível até meu pai esfriar a cabeça.
  Decidimos ir ao encontro de nossa mãe que fazia faxina na Igreja São José, uns 5 Km de distância, eram umas 2 horas da tarde.
  Nem conseguimos falar com ela.
  Eu, como era o mais "velho" (estava com 10 anos) falei para a mulher da recepção que houve uma briga entre meu pai e minha irmã e eu queria falar com minha mãe.
  Eu ainda me lembro mais ou menos o que ela disse:

  “Sua mãe está muito estressada, está a ponto de ser internada em um hospital, leve seus irmãos para casa, não traga mais esse problema para ela.”

  Eu achei a mulher coberta de razão, foi bastante lógica, afinal o que minha mãe poderia fazer!?
  Falei sim senhora e fui caminhando bem devagar com meus irmãos de volta para casa, tentando ganhar qualquer tempo.
  Naquele momento achei tudo normal, mas depois de anos ao analisar aquela cena ... caraca eu tinha só 10 anos!
  Meu irmão 8, minhas irmãs 6 e 4.
  Quatro crianças vagando pela rua com medo de voltar para casa.
  A irmã que ficou na casa da vizinha tinha 12.

  Com 10 anos eu me sentia tão responsável por aquelas vidas, minha família dizia que eu nasci velho, acho que nasci mesmo.

  A noite minha mãe ao se inteirar do ocorrido discutiu com meu pai, mas nada saiu fora de controle ... não chegou a violência física.
  Meu pai na verdade ficou muito apático.
  Fazendo uma leitura hoje acho que a panelada não doeu tanto em sua cabeça quanto doeu em sua alma.
  Eu tenho uma filha de 12 anos e ela me olhar com ódio a ponto de uma agressão ... seria um dia terrivelmente triste para mim.

  Essa parte é importante, preste atenção:

  Meu pai parecia não ter CONSCIÊNCIA que nós éramos as vítimas.

  Ele estava desempregado, foi despedido da Sanasa porque deu um murro no encarregado.
  Não procurava emprego porque “segundo ele” poderia atrapalhar um processo movido contra a empresa.
  O dinheiro que ele tinha era alguma coisa que minha vó dava, gastava apenas com cigarro e bebida.
  Em casa ficava horas sentado no sofá fumando e contemplando o vazio.
  Tinha brigas feias com minha mãe que não raro acabava em agressão física.

  Hoje, tentando uma explicação para a apatia do meu pai, acredito que ele entendeu naquele dia que não tinha amor e respeito dos filhos e muito menos da esposa, só tínhamos medo.

  Em uma dessas inversões de papéis que eu observo, aceito mas não consigo entender ... meu pai se sentia vítima.

  É como se devêssemos amor e respeito incondicional a ele não importa o que fizesse.

  Parece que a partir daquele dia o único plano de meu pai era não fazer nada para entendermos que não éramos nada sem ele.
  Meu pai que não fazia nada resolveu dobrar a meta...
  Lembrei de um elogio sobre o seu Madruga (Do Chaves) que li na Internet e tive que ser chato pela bilionésima vez.

  Quem quer um cara igual o seu Madruga como pai!?
  É engraçado na TV ou na família do vizinho.
  Na vida real qualquer um preferiria ter como pai o Seu Barriga. Calmo, tolerante e capaz de sustentar a família.

  Bem, com a ajuda dos Vicentinos da igreja São José minha mãe construiu 3 cômodos no quintal da minha vó Tidi e nós fomos vivendo péssimos sem meu pai, mas já estávamos péssimos com ele então não fez falta.
▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬▬
     Analisando meu pai e outros homens agressivos não vejo lógica/sentido nessas campanhas que fazem contra violência doméstica.

  É muito tempo e dinheiro jogados fora.

  Essas campanhas focam em uma suposta sociedade machista oprimindo violentamente as mulheres por tradição.
  A análise é errada.
  É algo como você ter úlcera e tomar remédio para hipertensão.
  Ninguém precisa dizer para eu e 85% dos homens que bater em mulher é errado, esse tipo de campanha não nos atinge, são desnecessárias.
  Para os 15% violentos é como se não fosse com eles, é outro tipo de consciência.
  Na mente deles eles só batem em quem “merece” apanhar.
  Por gritar com meu pai eu merecia apanhar, não importa o que me levou ao grito.
  Por minha irmã sair em minha defesa ela merecia apanhar, não importa o motivo de sua indignação.
  Meu pai estava passando por uma fase difícil e todos deveríamos ser compreensivos.
  Naqueles dias a água e a luz estavam cortadas.
  O dinheiro que minha mãe recebia na faxina mal dava para comprar gás e alguma comida para 5 crianças.
  A igreja nos dava uma cesta básica era o que nos mantinha.
  Naquele Natal nossa ceia foi arroz e sardinha em lata...lembro de garrafinhas de refrigerante Vanucci, minha mãe ganhou de alguém.

  Diante desse quadro meu pai não conseguia entender o porquê da nossa falta de respeito!!!!!!

  Aqui chegamos nas profundezas do Abismo o plano de pensamento é:
  CONSCIÊNCIA - Sentido ou percepção que o ser humano possui do que é moralmente certo ou errado em atos e motivos individuais.

  Na percepção do meu pai o que ele fazia era moralmente aceitável.
  Não há campanha publicitaria que consiga mudar isso.
  Não estou propondo acabar com esse tipo de campanha só estou tentando mostrar que elas são necessárias, mas pouco eficientes.

  Vamos a um exemplo light onde muitos possam se enxergar.
  Alguém tem dúvida que dirigir e operar o celular é perigoso?
  Acredito que não, então porque vemos tanta gente fazendo isso!
  Eu não faço, não precisa de campanha nesse sentido para pessoas iguais a mim.
  Os que usam o celular enquanto dirigem ... não deixam de fazer isso ao verem uma mensagem no Outdoor.
  Aqui no Brasil é comum acreditar que a solução para tudo é a escolarização, oras, é difícil acreditar que pessoas em seus carrões são semi analfabetas.
  Elas de alguma forma sabem, estão informadas, que não devem usar o celular, mas acham moralmente aceitável uma licença exclusiva para suas necessidades ... é só uma utilização rápida.

  Pode reparar que se a pessoa está no celular e vê um agente de trânsito sua “consciência” desperta rapidinho...

  As campanhas servem para ninguém se fazer de sonso, dizer que não foi avisado.
  Mas o foco tem que ser a PUNIÇÃO.

  Para certos atos que os indivíduos praticam só funciona o medo da punição e por vezes nem isso.

   Meu pai nunca pagou pensão, sabia que poderia ser preso, ele não tinha medo dessa punição porque se minha mãe fizesse isso “merecia” morrer...
▬▬▬//▬▬▬
  Essa sequência ficaria por aqui, mas na estatística rosa que li tinha um link para violência contra a mulher negra.
  Porque mulheres negras apanham mais?
  “Decifra-me ou te devoro!”

  Vamos tentar decifrar esse enigma no próximo texto...